Monitorização Remota TRANE
Informação profissional do setor das instalações em Portugal

SACE: o centro da renovação tecnológica e ambiental em curso

António Vieira | Geoterme06/10/2022
Com a escalada dos preços da energia e a consciência geral cada vez mais evidente das consequências das alterações climáticas, o tema da eficiência energética deixou de ser tratado como um ‘quase capricho’ para se tornar no objetivo a atingir em cada projeto de um novo edifício ou renovação.
foto
Neste novo paradigma, em que as exigências para a redução e otimização dos consumos energéticos são cada vez maiores, os SACE (sistema de automação e controlo do edifício) passaram a ter uma importância como nunca tinham tido, pelo fortíssimo impacto que a sua utilização implica na redução dos consumos de energia mas também porque o caminho para a digitalização dos edifícios assim o dita.

Os SACE estão no centro da renovação tecnológica e ambiental atualmente em curso, funcionando como o encontro entre a descarbonização a digitalização no setor dos edifícios.

Enquadramento Legal

Para dar suporte e impulso a esta nova realidade, os legisladores têm vindo a incorporar cada vez mais os sistemas SACE para responder às diferentes camadas de exigência: Acordos sobre o Clima, Diretivas Europeias, Estratégias e Roteiros Nacionais, Normas e Notas Técnicas, etc..

Portugal, através do Plano Nacional de Energia e Clima 2030 (PNEC 2030) e do Roteiro para a Neutralidade Carbónica 2050 (RNC 2050), assumiu como prioridade a redução de 55 % das emissões de gases com efeito de estufa até 2030, em relação a 2005, tendo igualmente aprovado uma Estratégia de Longo Prazo para a Renovação dos Edifícios (ELPRE), que consideram os SACE como um dos pilares para atingir os objetivos de eficiência energética.

Em linha com esta orientação estratégica foram aprovados recentemente, o Decreto-Lei 101D/2020 de 7 de dezembro e o conjunto de Portarias de 1 julho de 2021, que ampliam e reforçam a obrigatoriedade de instalação de sistemas SACE de elevada eficiência. Resumindo alguns dos principais tópicos vertidos na atual legislação:

  • Os SGTC em edifícios com potência nominal global igual ou superior a 290 kW, quando instalados até 31 de dezembro de 2024, devem apresentar uma classe de eficiência energética B, aumentando a exigência para uma classe A quando instalados a partir dessa data, devendo a sua determinação obedecer ao previsto na Norma EN 15232.
  • O DL 101-D/2020, no n.º 3 do seu artigo 13.º, impõe requisitos para todos os edifícios de comércio e serviços, inclusive os existentes, com potência nominal global igual ou superior a 290 kW, devendo estes instalar um SGTC até 31 de dezembro de 2025, com uma classe de eficiência energética B ou A, em função da data da instalação, nos termos da Tabela 28 da Portaria n.º 138-I/2021, de 1 de julho.
  • É obrigatória a existência de um projeto específico de SACE para edifícios ou frações de comércio e serviços, novos ou renovados, com uma potencia global nominal a partir de 100kW: projeto de SGT (Sistema de Gestão Técnica) a partir de 100kW até 290kW, e projeto de SGTC (Sistema de Gestão Técnica Centralizada) a partir de 290kW.
Ainda recentemente, no passado dia 11 de agosto, foram publicadas novas notas técnicas da ADENE que têm impacto na utilização destes sistemas: a NT-SCE-03 que vem clarificar a aplicação dos sistemas SACE nos novos edifícios e edifícios existentes, e a NT-SCE-02 que vem definir o conceito de Edifícios NZEB20 e a sua relação com o acesso a incentivos do PRR e outros.

Também para muito breve estará a alteração da norma EN 15232-1:2017, que segundo a EUBAC -associação europeia de SACE, “tem sido uma norma fundamental na avaliação do contributo dos SACE para o desempenho energético dos edifícios, sendo usada na regulamentação e orientações aos níveis europeu e nacional’ (a norma EN 15232 já faz parte da legislação portuguesa desde 2013). Assim, a partir de 30 de setembro, passará a integrar a família de ‘normas ISO50000’ relativas à gestão de energia passando a designar-se como EN IS0 52120-1:2022 ‘Energy performance of buildings – Contribution of building automation, controls and building management – Part 1: General framework and procedures’.

A resposta da Geoterme para os edifícios do futuro

A Geoterme desenvolve e implementa, há mais de 20 anos, soluções de SACE (SGTC) que promovem uma utilização dos edifícios mais segura, económica e confortável, em que gestores e utilizadores, onde quer que estejam, possam através das novas tecnologias melhorar o seu desempenho e conforto.

Os edifícios do futuro terão obrigatoriamente sistemas SACE de alta eficiência capazes de ser uma importante ferramenta de suporte para a transformação digital e ambiental nos edifícios mas também capazes de promover o conforto, o bem estar e a segurança dos seus ocupantes/utilizadores.

Multisensors

Para atingir estes objetivos a Geoterme utiliza as mais avançadas tecnologias para os edifícios, como os multisensors - que agrupam a monitorização de diferentes variáveis, como a temperatura, humidade, luminosidade, ocupação ou o ruído, para controlar, de uma forma global e integrada, num único equipamento, as variáveis afetas aos sistemas técnicos como a climatização ou a iluminação.

Um dos equipamentos que utilizamos para este fim é o O3 Hub que foi o vencedor do prémio anual da ASHRAE em 2020 para os sistemas SACE. O O3 Hub pode controlar a temperatura e a humidade de um espaço, em tempo real, com base em cálculos precisos e feedback ao sistema de controle. Usando uma combinação de sensores e tecnologia machine learning, o O3 Hub é capaz de detetar mudanças imediatas de temperatura num espaço e, ao mesmo tempo, lidar com picos de temperatura de alguém que passa com seu café quente.

foto

Sistemas Toutchless

As soluções toutchless – que se traduzem numa transformação na forma como nos relacionamos com os sistemas técnicos nos edifícios de comércio e serviços, e que evoluíram fortemente durante a pandemia da Covid-19, vieram para ficar, e fazem também parte das novas soluções que implementamos. Neste caso, os comandos e regulação sobre os sistemas, como a temperatura, humidade ou iluminação tem a possibilidade de evitar a utilização de comandos de parede podendo passar esses comandos a ser efetuados a partir do telemóvel.

foto

Interoperabilidade com IOT - Internet das Coisas

A Geoterme tem a capacidade de implementar sistemas que permitem suportar protocolos e padrões de comunicação inovadores de IoT (Internet das Coisas). Para além do controlo total dos sistemas técnicos como o AVAC, Iluminação, etc. os nossos equipamentos podem ser integrados e comunicar com outros sistemas dos edifícios e comunicar com os serviços de Cloud mais conhecidos e utilizados.

Esta nova realidade permite uma melhor experiência geral dos ocupantes no espaço do edifício como por exemplo através da utilização do controle de voz Alexa ou Google Home.

foto

Segurança dos sistemas SACE

A Geoterme tem a capacidade de oferecer soluções SACE que utilizam o protocolo BACnet (Building Automation Control Network) Secure Connect, que se destaca dos demais por utilizar comunicação encriptada. Este protocolo que permite uma operação mais segura é um aspeto primordial nos serviços de controlo e monitorização remotos cada vez mais suportados pelos SACE.

A Geoterme é um dos poucos fornecedores do nosso mercado a disponibilizar equipamentos com a certificação BTL (BACnet Testing Laboratories) para o BACnet Secure Connect.

Os edifícios do futuro são aqueles que construímos hoje, que cumprem com todos estes requisitos legais e integram as inovações tecnológicas que a indústria disponibiliza e que os utilizadores já não dispensam.
CEES 27 - 30 june 2023 Funchal / Portugal International ConferenceInstituto de Formaçaõ VulcanoPanasonic: a tua casa poupa. O planeta também.

Subscrever gratuitamente a Newsletter semanal - Ver exemplo

Password

Marcar todos

Autorizo o envio de newsletters e informações de interempresas.net

Autorizo o envio de comunicações de terceiros via interempresas.net

Li e aceito as condições do Aviso legal e da Política de Proteção de Dados

Responsable: Interempresas Media, S.L.U. Finalidades: Assinatura da(s) nossa(s) newsletter(s). Gerenciamento de contas de usuários. Envio de e-mails relacionados a ele ou relacionados a interesses semelhantes ou associados.Conservação: durante o relacionamento com você, ou enquanto for necessário para realizar os propósitos especificados. Atribuição: Os dados podem ser transferidos para outras empresas do grupo por motivos de gestão interna. Derechos: Acceso, rectificación, oposición, supresión, portabilidad, limitación del tratatamiento y decisiones automatizadas: entre em contato com nosso DPO. Si considera que el tratamiento no se ajusta a la normativa vigente, puede presentar reclamación ante la AEPD. Mais informação: Política de Proteção de Dados

www.oinstalador.com

O Instalador - Informação profissional do setor das instalações em Portugal

Estatuto Editorial