Disterm ar condicionado
Informação profissional do setor das instalações em Portugal

Artigo exclusivo para a Revista O Instalador

Celebramos o Dia Mundial do Ambiente numa época de incertezas

Carmen Lima*24/06/2022
Vivemos atualmente novos tempos. Vivemos tempos de incerteza.
foto

Após dois anos a enfrentar uma pandemia, tempo que precisámos para aprender a viver com ela e a preparar as respostas às necessidades que nos permitissem viver com alguma normalidade, a Europa vê-se a braços com uma guerra, para muitos já anunciada, mas que todos queriam acreditar que não iria acontecer. O final de qualquer uma destas situações parece estar num horizonte longínquo, mas os efeitos das mesmas estão a ser imediatos.

Esta combinação “pandemia” e “conflito armado”, ambos com efeitos à escala mundial, teve uma consequência naquilo que são os três pilares da sustentabilidade: Economia, Social e Ambiente. Se vivemos momentos muito difíceis do ponto de vista financeiro, com o aumento dos preços dos recursos, com a escassez do fornecimento das matérias-primas e com o aumento da inflação, é certamente a vertente social a mais afetada. As dificuldades financeiras e humanitárias que atualmente vivemos irão perpetuar no tempo diversos constrangimentos na vida da população, que mesmo com um grande esforço e resposta de apoio social, poderão não conseguir ser minimizados ou ultrapassados. Numa realidade destas, o terceiro pilar da Sustentabilidade - o Ambiente -, é o que passa imediatamente para terceiro plano e retrocede abruptamente. Numa luta pela sobrevivência e por garantir o mínimo das condições que satisfaça o bem-estar social, a promoção e proteção da saúde e os bens elementares à população, o empenho necessário para a mudança, quer em termos de urgência das estratégias, quer na concretização de Políticas Ambientais ou metas estabelecidas, poderá não ser o suficiente por falta de disponibilidade e por uma mudança na agenda mundial.

Em 1992, aquando da realização da Conferência das Nações Unidas no Rio de Janeiro, o mundo vivia momentos de alívio. Estávamos num período em que não existia, aparentemente, nenhuma ameaça de uma guerra nuclear, havia uma mudança na agenda mundial, os países e as organizações internacionais estavam focados em apostar na promoção dos direitos humanos e na qualidade ambiental.

O modelo financeiro e de desenvolvimento económico era colocado em causa e havia disponibilidade para introduzir novas formas de gestão, que em muito iriam auxiliar o crescimento global, a proteção social e a conservação dos recursos naturais – surge o conceito de desenvolvimento sustentável.

As dificuldades financeiras e humanitárias que atualmente vivemos irão perpetuar no tempo diversos constrangimentos na vida da população, que mesmo com um grande esforço e resposta de apoio social, poderão não conseguir ser minimizados ou ultrapassados

Ao longo destes últimos 30 anos, muito foi feito para melhorar a qualidade ambiental do Planeta, para equilibrar os consumos, para controlar as emissões, para regular a gestão de resíduos, para tomar as opções mais sustentáveis. Não foi uma tarefa fácil, não houve consenso, não houve sempre o respeito pelas políticas ambientais definidas, nem sempre foram tomadas as melhores opções, mas uma coisa é certa: o Ambiente e o desenvolvimento sustentável entraram na agenda global. É hoje um tema que todos os gestores empresariais, os gestores de autarquias e os políticos sabem que têm que considerar em qualquer programa ou plano.

Há ainda um caminho longo pela frente, em matéria de conservação da biodiversidade, de promoção dos modelos de gestão do carbono na atmosfera e na aposta das respostas e ferramentas que atuam enquanto sumidouros, no equilíbrio entre o consumo de recursos naturais e o descarte de resíduos, no respeito e gestão por forma a proteger os recursos hídricos, no combate à desertificação, entre muitos outros aspetos. Boa parte das expetativas estabelecidas em 1992 ainda não foram concretizadas, pelo que há uma nova oportunidade de mudança e reformulação do modelo financeiro a decorrer, o abandono do modelo linear e a escolha do modelo de economia circular.

Mas acredito que a incerteza em que atualmente vivemos nos possa levar a questionar as escolhas, as expetativas e o próprio momento. A guerra estimula a produção de petróleo, a oscilação dos preços das matérias-primas, a escassez de alguns alimentos, a mudança de agenda política, a mudança de agenda energética e a ameaça social. O rendimento disponível das famílias está a descer e prevê-se que continue em queda, os preços dos alimentos e de outros recursos está a subir e prevê-se que continue a aumentar, as empresas estão já a sofrer dificuldades em obter matérias-primas e produtos, podendo mesmo ter que cessar alguma atividade a curto ou médio prazo, o comércio internacional tem sofrido muitas limitações e constrangimentos, o tema do armamento e energia nuclear voltou à agenda política mundial, assim como a aposta em fontes de energia baseadas no carbono, com os seus efeitos ao nível da emissão de gases com efeito de estufa (GEE).

Entre os países e a população vive-se, acima de tudo, um período de incerteza. Este quadro é a antítese do momento em que vivíamos em 1992, quando o mundo se uniu para colocar o tema “Ambiente” na agenda mundial.

Esta incerteza será o maior desafio para os governantes, gestores políticos, autarcas e empresários, famílias e população em geral, para manter o foco na sustentabilidade. Continuar a apostar no novo modelo económico – o circular (à semelhança dos ciclos biológicos e naturais), manter as linhas de orientação, as estratégias e as políticas ambientais no atual quadro financeiro e social será um trabalho hercúleo, mas fundamental para a sobrevivência da espécie humana, onde é importante nunca esquecer o foco – o Planeta Terra é um Planeta único.

* Especialista na área dos Resíduos e Ambiente

Doutoranda em Engenharia do Ambiente no IST

Fundadora e Coordenadora do SOS AMIANTO

Autora do livro 'Não Há Planeta B: Dicas e Truques para um Ambiente Sustentável'

Conselheira do CES - Conselho Económico e Social, pela CPADA, em representação das Associações Nacionais de Defesa do Ambiente

Apemeta: 15  de Dez 2022 XII encontro nacional de cestão de resíduosCEES 27 - 30 june 2023 Funchal / Portugal International ConferenceKeyter: HVAC&R SolutionsBosch: a tecnologia mais recente em caldeiras já line é familiar

Subscrever gratuitamente a Newsletter semanal - Ver exemplo

Password

Marcar todos

Autorizo o envio de newsletters e informações de interempresas.net

Autorizo o envio de comunicações de terceiros via interempresas.net

Li e aceito as condições do Aviso legal e da Política de Proteção de Dados

Responsable: Interempresas Media, S.L.U. Finalidades: Assinatura da(s) nossa(s) newsletter(s). Gerenciamento de contas de usuários. Envio de e-mails relacionados a ele ou relacionados a interesses semelhantes ou associados.Conservação: durante o relacionamento com você, ou enquanto for necessário para realizar os propósitos especificados. Atribuição: Os dados podem ser transferidos para outras empresas do grupo por motivos de gestão interna. Derechos: Acceso, rectificación, oposición, supresión, portabilidad, limitación del tratatamiento y decisiones automatizadas: entre em contato com nosso DPO. Si considera que el tratamiento no se ajusta a la normativa vigente, puede presentar reclamación ante la AEPD. Mais informação: Política de Proteção de Dados

www.oinstalador.com

O Instalador - Informação profissional do setor das instalações em Portugal

Estatuto Editorial