Nipon é tempo de celebrar!
Informação profissional do setor das instalações em Portugal

É chegada a hora da QAI?

Ana Fernandes | EFRIARC16/05/2022
Por todo o mundo, as atenções começam a virar-se para a Qualidade do Ar Interior, muito graças aos indícios, entretanto comprovados pela OMS em dezembro de 2021, que o SARSCoV-2 tem transmissão por via aérea.
foto

Nos EUA, com o apoio da Casa Branca, a EPA lançou o 'Clean Air in Buildings Challenge', que enfatiza a otimização do ar novo e a melhoria dos sistemas de filtragem do ar.

O governo belga apresentou as linhas gerais de um 'plano de ventilação' para edifícios de comércio e serviços, prevendo a monitorização de monóxido de carbono em espaços fechados e a disponibilização da informação ao público.

Em Espanha, iniciativas como a Aireamos sensibilizam a sociedade civil e entidades públicas para a mais valia da ventilação de espaços interiores, ou para monitorização do Monóxido de Carbono, como indicador básico dos níveis de ventilação.

A relação entre a propagação de agentes patogénicos e a qualidade do ar interior está patente em inúmeros artigos científicos publicados na primeira década dos anos 2000. Mas a ameaça não é apenas patogénica. Mais recentemente, a Aliança Europeia para a Saúde Pública, publicou um estudo onde prova que crianças que vivam em casas com sistemas de aquecimento a gás ou outro combustível fóssil têm mais 24% de probabilidade de sofrer doenças respiratórias crónicas não transmissíveis.

Considerando os custos socioeconómicos, o Observatório da Qualidade do Ar Interior francês estima que a influência de um conjunto de poluentes (benzeno, radão, monóxido de carbono, partículas PM2.5) chegaria a um total anual de 19 mil milhões de euros por ano, tendo em conta o impacto direto na saúde, perdas de produção por absentismo e investimento necessário para repor qualidade de vida.

A população europeia passa até 90% da sua vida dentro de edifícios, sejam residenciais ou de serviços. Ainda assim, e apesar de fortes evidências como as já referidas, são poucas ou nenhumas as ações concertadas para uma regulação definitiva da qualidade do ar interior. Ainda assim, em 2022, quando se fala de qualidade do ar interior, fala-se em 'abrir janelas'.

Por todo o mundo, as atenções começam a virar-se para a Qualidade do Ar Interior, muito graças aos indícios, entretanto comprovados pela OMS em dezembro de 2021, que o SARS-CoV-2 tem transmissão por via aérea

Em 2013, a Comissão Europeia encomendou o estudo 'Promoting actions for healthy indoor air', onde se media o impacto da qualidade do ar interior na saúde humana, e o impacto a dez anos das políticas existentes à data, fossem as recomendações da Organização Mundial de Saúde, legislação relacionada com construção de edifícios, ou sistemas de certificação voluntários. Uma conclusão interessante foi que ações como a correta implementação, operação e manutenção dos sistemas de ventilação, assim como a existência de um procedimento de validação da qualidade do ar interior teriam um impacto verdadeiramente significativo na melhoria da qualidade de vida dos ocupantes.

Esta afirmação só vem provar a importância do setor AVAC na promoção da qualidade do ar interior, podendo atuar como agente de saúde pública, garantindo que o projeto vai de encontro ao perfil funcional do edifício, garantindo que este projeto é corretamente implementado em fase de execução, e que o edifício está adequado à sua função ao longo de todo o seu ciclo de vida.

Apesar de a ênfase na eficiência energética dos últimos anos poder ter tido um impacto negativo na qualidade do ar interior, os esforços são agora para desenvolver diretivas transversais, uma aproximação holística ao problema, integrando soluções segurança, saúde, eficiência energética e sustentabilidade. O exemplo é a evolução da diretiva 'Energy Performance of Buildings', que já menciona a qualidade do ar interior, os níveis de conforto e a saúde do ocupante como fatores importantes a ter em conta. Grupos de trabalho por todo o mundo trabalham no desenvolvimento de standards e regulamentação nesta matéria. O futuro dos edifícios evolui para garantir conforto, térmico e acústico, iluminação e ar, promovendo a qualidade de todo o ambiente interior. Neste sentido, a influência do setor AVAC vai muito para além da ventilação, passando pelas soluções de climatização, de filtragem e de monitorização do ar, as oportunidades são inúmeras.

É chegada a hora de uma nova QAI, que promoverá acima de tudo boa qualidade de vida para o ocupante, dentro e fora de portas.
Chillventa: International Exhibition Refrigeration. Nuremberg 11 -13.10.2022Concreta Arquitetura Construçao Desenho Engenharia 13 - 16 outubro 2022Um futuro mais verde faz parte da VulcanoKeyter: HVAC&R SolutionsPanasonic Portugal: um design sofisticado e eficiente, com nanoe X para um ar interior mais limpio

Subscrever gratuitamente a Newsletter semanal - Ver exemplo

Password

Marcar todos

Autorizo o envio de newsletters e informações de interempresas.net

Autorizo o envio de comunicações de terceiros via interempresas.net

Li e aceito as condições do Aviso legal e da Política de Proteção de Dados

www.oinstalador.com

O Instalador - Informação profissional do setor das instalações em Portugal

Estatuto Editorial