Atlas Copco: vapor - caldeiras de vapor de 1,3 a 16 toneladas/hora
Informação profissional do setor das instalações em Portugal

88,4% das empresas inquiridas ainda não beneficiaram de apoio comunitário destinado à eficiência energética

93% das empresas em Portugal defendem a criação de benefícios fiscais para apoiar a transição energética

Redação Induglobal19/05/2021
A FI Group, em parceria com a consultora de comunicação e assuntos públicos LLYC, lançou um inquérito ao tecido empresarial português com o objetivo de apurar a importância dada à eficiência energética e sustentabilidade ambiental nos edifícios e compreender as ‘Metas de Eficiência’ das empresas nacionais.
foto

A empresa que atua na gestão da inovação e captação de investimento obteve respostas de 138 entidades das diferentes regiões do país.

Os resultados deste levantamento indicam que a grande maioria das empresas - 93% - identificam a necessidade de benefícios fiscais que apoiem as organizações na transição energética.

Apesar desta lacuna, mais de metade das empresas - 54% - revela um forte interesse na realização de investimentos para aumentar a eficiência energética até 2026, sendo a sustentabilidade e a redução de custos os principais motivos apontados.

Entre as empresas que pretendem investir, verifica-se que o maior número de projetos são até 250 mil euros, com enfoque, por ordem de relevância, nas áreas de ‘Fontes de Energia Renovável’, ‘Edifícios’, ‘Climatização’ e o ‘Processo Produtivo’. Nos projetos com investimentos entre 250 e 750 mil euros, a área mais relevante è a do ‘Processo Produtivo’, seguida de ‘Fontes de Energia Renovável’, ‘Edifícios’ e ‘Climatização’. Nos projetos que exigem investimentos mais elevados, entre 750 mil euros e 1,5 milhões de euros, as tipologias ‘Edifícios’ e ‘Processo Produtivo’ têm o maior peso.

Para o diretor-geral da FI Group, Paulo Reis, “este levantamento demonstra que a questão da eficiência energética é cada vez mais um aspeto estratégico a ter conta pelas empresas, reconhecendo-se a importância que assume, a longo prazo, para as organizações. Perspetiva-se, neste contexto, um aumento na procura de incentivos por parte das médias empresas, pequenas empresas, microempresas e grandes empresas. Acreditamos que as políticas públicas devem colocar as empresas no centro da recuperação da economia com vista ao aumento da produtividade, competitividade e a resiliência do tecido empresarial”.

Ao mesmo tempo que se regista este interesse, 88,4% do universo inquirido afirma não ter beneficiado de qualquer apoio comunitário à eficiência energética.

Entre as empresas que participaram neste inquérito, destacam-se as indústrias transformadoras (44,2%), atividades de consultoria científica e técnica (12,3%), atividades de informação e comunicação (6,5%), entre outros.

Entre as empresas que beneficiaram de algum tipo de apoio comunitário no âmbito da eficiência energética, destaque para as que obtiveram apoio a fundo perdido (8,0%), empréstimo sem juros (2,2%), financiamento bancário (1,4%).

Entre as medidas que no entender das empresas inquiridas deviam ser desenvolvidas para promover a eficiência energética de instalações destacam-se, os apoios governamentais e o apoio a energias alternativas, mais sustentáveis, sendo expressa a motivação do tecido empresarial, no desenvolvimento dos novos mecanismos de financiamento (66,7%).

As empresas inquiridas salientaram também a necessidade de apoio ao financiamento por meio de investimento direto a taxa bonificada, ou taxa zero, e não através de crédito fiscal.

De modo a apoiar financeiramente a melhoria da eficiência energética dos edifícios, o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) destina cerca de 610 milhões de euros em subvenções. Já a Estratégia de Longo Prazo para a Renovação dos Edifícios (ELPRE) prevê um investimento total estimado de 143 milhões de euros até 2050.

Junkers - Bosch a prpoxima mudança vai parecer-lhe familiarBombas de calor Spirit inverterPortugal Smart Cities Summit 16 - 18  de nov. 2021 FIL - Parque das NaçõesAPREN - Associação Portuguesa de Energias RenováveisDecorHotel: Fil - Lisboa 21 a 23 Out 2021Nova gama de Ar CondicionadoJaba: tradução 4.0Adene: janelas eficientes só com etiqueta energética CLASSE+Hisense: serie HI - AquaSmart menos emisiones de CO2Fujitsu ar condiionado mámixo siléncio mínimo consumoAssociação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado

Subscrever gratuitamente a Newsletter semanal Ver exemplo

Password

Marcar todos

Autorizo o envio de newsletters e informações de interempresas.net

Autorizo o envio de comunicações de terceiros via interempresas.net

Li e aceito as condições do Aviso legal e da Política de Proteção de Dados

www.oinstalador.com

O Instalador - Informação profissional do setor das instalações em Portugal

Estatuto Editorial