Carrier: há mais do de uma forma de melhorar a qualidade do ar interior

“Ao nível do atual consumo global, vamos precisar de cerca de 3 planetas até meados deste século para sobreviver”

O Instalador10/01/2021
O alerta partiu da secretária de Estado do Ambiente, Inês dos Santos Costa, durante o Casais Summit, na Conferência sobre Alterações Climáticas e Sustentabilidade Ambiental e onde assistiram mais de mil pessoas.
foto
Dia 6 de janeiro, pelas 9h00, o Grupo Casais realizou no âmbito da Casais Summit (que decorreu entre os dias 4 e 7), uma conferência online sob o mote 'Alterações Climáticas e Sustentabilidade Ambiental', apresentando diversas questões ao nível do setor da construção.
O evento durou quatro horas e foi transmitido em direto via Facebook, sendo em breve disponibilizado nas plataformas digitais, com intervenções de várias personalidades, incluindo a mensagem de abertura de Inês dos Santos Costa, Secretária de Estado do Ambiente e o discurso final de António Carlos Rodrigues, CEO do Grupo Casais.
Os oradores presentes no seminário foram Pedro Martins Barata Partner da Get2C, responsável pela coordenação de projetos na área de política climática e consultoria estratégica, Pedro Ressano Garcia do ateliê Ressano Garcia Arquitetos, Luísa Magalhães, Executive Diretor da Associação Smart Waste Portugal e o Arquiteto e Investigador, José Pequeno.
No início da sessão, a Secretária de Estado do Ambiente, relembrou que “o mundo, neste momento, usa mais recursos do que aquilo que um planeta consegue fornecer, sendo que o nível atual do consumo global significa que precisaremos de cerca de três planetas até meados deste século e encontramo-nos a falar no nosso tempo de vida, não estamos a falar de um futuro longínquo. Porém, o slogan que muitas vezes ouvimos de facto é real. Nós só temos um planeta, não temos três”.

Ao finalizar a sua reflexão sobre o tema, Inês dos Santos Costa deixou uma mensagem a todos, afirmando que “o caminho faz-se caminhando e vamos continuar a trabalhar”.

Pedro Barata, abordou o tema da Covid-19, referindo dados relevantes para as alterações climáticas ao afirmar que “durante o confinamento houve uma redução recorde nas emissões de carbono, decorrente do estilo de vida que tivemos de adotar na pandemia e em particular do facto de termos de prescindir do veículo automóvel e aumentar imensamente o teletrabalho. Apesar de tudo temos cada vez mais a evidência de que esta transição energética se está a fazer e que vamos ter efetivamente reduções muito mais rápidas do que pensávamos há 5 anos”.
Pedro Ressano Garcia salientou que as gerações anteriores fizeram o melhor que sabiam e que “nós agora sabemos mais, temos mais conhecimento e podemos fazer melhor”.

Dessa forma, partilhou os cinco princípios que considera fundamentais face às alterações climáticas, sendo eles a “introdução de vegetação local; Conforto e consumo energético; Efeito esponja e controle térmico; Reciclagem de materiais e Energia passiva e Eficiência Energética. As novas soluções arquitetónicas mais sustentáveis, como muitos estudos demonstram, são uma tendência, serão uma necessidade e a prazo, uma imposição”.

Luísa Magalhães, na sua intervenção abordou várias temáticas, tendo como objetivo caraterizar e quantificar a importância das atividades ligadas à recolha, tratamento, valorização e eliminação de resíduos.

Realçou ainda iniciativas referentes à economia circular que se baseia na redução da utilização de matérias-primas virgens e em que o produtos e materiais são reutilizados sempre que possível, defendendo que é necessário aplicar diversas medidas como, utilizar material reciclado, entregar os resíduos das obras domésticas e projetar de forma a que os recursos possam ser economicamente reutilizados e reforçando que “para chegarmos a bom porto é preciso que exista uma colaboração de todos, que a cadeia de valor esteja reunida para tentarmos criar mais valor, promover uma maior reutilização e evitar que surja a reprodução de tantos resíduos de construção”.

José Pequeno, que defende que “grandes mudanças criam grandes oportunidades”, abordou a Fractus que pretende transformar o paradigma da construção através da oferta de soluções rápidas, sustentáveis do ponto de vista ambiental, a um preço competitivo e com alta qualidade. O “sistema de construção inovador é baseado numa estrutura em aço para o 'esqueleto' do edifício e painéis leves patenteados para paredes interiores, exteriores e lajes”.

O Arquiteto finalizou a sua apresentação, referindo que “em conjunto podemos ter sempre a possibilidade de intervir”.

Adene: janelas eficientes só com etiqueta energética CLASSE+Vulcano: o sucesso é garantido quando esclhe a melhor formação

Subscrever a nossa Newsletter

Password

Marcar todos

Autorizo o envio de newsletters e informações de interempresas.net

Autorizo o envio de comunicações de terceiros via interempresas.net

Li e aceito as condições do Aviso legal e da Política de Proteção de Dados

www.oinstalador.com

O Instalador - edifícios - energia - ambiente

Estatuto Editorial