Carrier: há mais do de uma forma de melhorar a qualidade do ar interior

Despesa média com eletricidade deverá baixar 13,5% em 2021

O Instalador25/12/2020
A pandemia de Covid-19 alterou os padrões de consumo de eletricidade dos portugueses na habitação e nos locais de trabalho, revela um estudo do Payper realizado graças a um algoritmo de inteligência artificial aplicado a 388 mil faturas submetidas na sua plataforma, durante o corrente ano, abrangendo um total de 95 mil locais de consumo.
foto

O consumo de eletricidade nas habitações, nos meses de março a junho de 2020, comparativamente com 2019, terá subido em média cerca de 23%, devido ao número significativo de pessoas em teletrabalho, em confinamento, em telescola ou abrangidos por programas de layoff.

A despesa média mensal paga por habitação em 2020 ascendeu a €70,55/mês, e em caso de desconfinamento progressivo, esse valor poderá baixar 13,5%, para os €61/mês em 2021, revela a mesma fonte.

Para 2021, em matéria de impostos, a empresa prevê que a redução do IVA para os clientes domésticos com potência contratada até 6,9 kWh, em vigor desde 1 de dezembro de 2020, aplicada no consumo dos primeiros 100 kWh do consumo mensal, deverá permitir uma poupança mensal de, em média, de €1,6/mês e de €19,2/ano.

Para as famílias numerosas também haverá vantagens a partir de março de 2021, altura em que entra em vigor um desconto específico, que permitirá beneficiar de um desconto na taxa intermédia de IVA nos consumos mensais até 150kWh, ou seja, uma poupança de, em média, €2,23/mês e de €26,76/ano.

Em termos de despesa doméstica mensal com eletricidade por distrito, o top 3 é liderado por Bragança onde mais se paga em termos médios por mês (€107,59), seguido de Leiria (€81,97) e de Beja (€79,85), enquanto o distrito mais ‘poupador’ do país é o da Guarda (€55,09).

O distrito do Porto (€77,50) é 6º dos 18 distritos onde a despesa mensal com eletricidade na habitação é mais elevada enquanto que o distrito de Lisboa (€64,47) é o 4º onde estas despesas mensais são menores do país.

Relativamente aos tarifários, o estudo revela ainda que 2021 seguirá a tendência de 2020, com a entrada de novos comercializadores com ofertas mais competitivas e a mudança progressiva dos clientes para tarifários mais competitivos.

“O que sucede é que os portugueses gastam demasiado em eletricidade por não estarem informados e não compararem as ofertas comerciais disponíveis, pois acreditamos que se ajustassem o tarifário ao seu consumo em 2020 cada consumidor poderia ter poupado cerca de 100 euros”, explica Nuno Costa, Data Analyst do Payper

Vulcano: o sucesso é garantido quando esclhe a melhor formaçãoAdene: janelas eficientes só com etiqueta energética CLASSE+

Subscrever a nossa Newsletter

Password

Marcar todos

Autorizo o envio de newsletters e informações de interempresas.net

Autorizo o envio de comunicações de terceiros via interempresas.net

Li e aceito as condições do Aviso legal e da Política de Proteção de Dados

www.oinstalador.com

O Instalador - edifícios - energia - ambiente

Estatuto Editorial