Daikin visite o nosso stand na Concreta e descubraas últimas nividades! Pa. 2, Stand E 30

Exigências regulamentares de chaminés para exaustão de produtos da combustão

Sodeca Portugal08/11/2019
As chaminés modulares poderão ser utilizadas nos mais variados tipos de instalações como caldeiras atmosféricas (gás ou gasóleo), caldeiras de combustíveis sólidos, caldeiras estanques/condensação, chaminés coletivas, eletrogéneos, cogeração, VMC (Ventilação Mecânica Controlada), hotes de cozinhas, fornos de secagem ou incineradoras.

Um requisito comummente exigido em condutas de ventilação é a resistência ao fogo, definida no Regulamento Técnico de Segurança contra Incêndio em Edifícios. A resistência ao fogo define-se como a proteção dos elementos a fim de evitar que estes sejam transmissores do fogo. As condutas devem ter a mesma resistência ao fogo dos elementos construtivos atravessados (paredes, tetos), mantendo assim a compartimentação definida. O grau de proteção é regulado em função do risco de incêndio das diferentes utilizações-tipo e da facilidade de evacuação, refletindo-se na compartimentação necessária.

A gama de resistência ao fogo requerida é EI30, 60 ou 120 minutos. Isto é, durante este intervalo de tempo a estanquidade a chamas e gases quentes (E) e isolamento térmico (I) devem ser garantidos. Tal é conseguido com recurso a um isolamento de cerâmica resistente a altas temperaturas.

A gama EI30 está direcionada para instalações de extração em hotes de cozinhas profissionais (incluindo tramos com registos de limpeza); a EI60 é projetada para a ventilação de garagens subterrâneas e a EI120 serve aplicações em instalações de alto risco de incêndio, de tal modo que a chaminé tem a mesma exigência de resistência ao fogo das paredes e tetos que atravessa (exemplo da Figura 1).

foto
Figura 1. Atravessamento de condutas entre várias zonas e pisos, onde se pretende manter a compartimentação corta-fogo.
A exaustão de produtos de combustão pode exigir, nos cenários mais exigentes, condutas/chaminés que respondam a dois principais requisitos: altas temperaturas (> 500 ºC) e pressões altas (até 5.000 Pa). Como tal, nestas condições, não é possível obter estanquidade através de juntas ou silicones.
A alternativa passa por chaminés modulares metálicas, com uniões cónicas entre tubos, com parede dupla em aço inoxidável, sem pontes térmicas, e isolamento intermédio de lã de rocha rígida de alta densidade (Figura 2 e 3). Dependendo das espessuras das paredes e do isolamento, é possível garantir estanquidade até 600 ºC de temperatura de trabalho e 5.000 Pa de pressão. Outra vantagem destes sistemas é a possibilidade de corte de tramos retos à medida em obra.
foto
Figura 2. Parede interior e exterior, sem pontes térmicas, e com isolamento intermédio contínuo.
foto
Figura 3. Isolamento intermédio rígido de lã de rocha, de alta densidade (128 kg/m3) e baixa condutividade térmica (0,039 W/mK).

Na Sodeca Portugal encontra o parceiro ideal para o fornecimento e aconselhamento técnico sobre chaminés modulares metálicas. Com um catálogo com mais de 10.000 referências, somos um parceiro especializado, capaz de cumprir as mais exigentes especificidades de projeto ou obra.

foto
foto
Portugal Renewable SummitDaikin - Visite o nosso stand na CONCRETA e descubra as últimas novidades Pav. 2, Stan E30GiacominiJaba traducción técnica espcializadaO Instalador42ª Mostra Convegno ExpocomfortJunkers: tanta tecnologi em tão pouco espaçoBaxi Roca

www.oinstalador.com

O Instalador - edifícios - energia - ambiente

Estatuto Editorial